sábado, 28 de janeiro de 2017

Alimentação Saudável



Suco verde detox, salsão e chá branco são coisa do ano passado. De acordo com um levantamento da Whole Foods Market, a empresa mais famosa de alimentação saudável nos Estados Unidos, os alimentos que “vão pegar” este ano incluem uma velha amiga dos brasileiros no verão, a água de coco, e comida japonesa que vai muito além do sushi.

Os especialistas apontam que, além dos próprios alimentos, a postura pessoal também ganha destaque. A preparação das refeições leva em conta “comer melhor” e evitar desperdício, utilizando bem os alimentos para que rendam vários almoços ou jantares.

Em alta está o termo “flexitariano”, que seria aplicado a alguém que é semi-vegetariano. É uma maneira de definir alguém que não se encaixa em uma determinada dieta, como sem glúten ou vegano, por exemplo. Para quem prefere mesmo carne, o “carnívoro” de antigamente, pode-se dizer que é um “paleo”.

Veja aqui algumas das tendências de alimentação que devem bombar no ano, listadas pela Time.

Bebidas com superalimentos

A onda das bebidas nutritivas está muito longe de acabar. Mas em lugar do suco verde, a tendência agora é usar alimentos e temperos como cúrcuma, maca (raiz peruana) e vinagre de maçã. A cúrcuma possui propriedades anti-inflamatórias; a maca traz vitaminas, minerais, aminoácidos e fitonutrientes; e o vinagre de cidra de maçã pode ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue e melhora a digestão.

Produtos derivados

Uma tendência forte em alimentação é a criação de novos alimentos a partir de outros que se tornaram bem conhecidos. É o caso da proteína whey, que veio da produção de iogurte, e deverá ser acrescida a bebidas probióticas. Outro caso é o líquido que fica a partir do cozimento de grão-de-bico, chamado aquafaba, que será usado para produzir “maionese” vegana.

Coco em tudo

O óleo de coco já está servindo para produzir tortilha de coco. E agora aparece como ingrediente para wraps, chips e produtos que a maioria nem imaginava. Tapioca de coco? Pode ser.

Muito além do sushi

A dieta japonesa continua sendo louvada por suas características nutritivas, como uma dieta balanceada (basicamente uma combinação de peixe, vegetais, plantas) responsável pela longevidade. Além do sushi e sashimi, a Whole Foods prevê a popularização de condimentos típicos da culinária japonesa, como ponzu, miso e óleo de gergelim.

Temperos, temperos, temperos

Com a expansão de diferentes cozinhas pelo mundo, as pessoas estão dispostas a testar “novos gostos”, o que, na prática, significa novos temperos. Isso inclui salsa de beterraba, geleia de pimenta habanero, tahini de gergelim preto e ghee (manteiga clarificada que é popular em alguns países da Ásia e Oriente Médio).

Macarrão diferenciado

Além do macarrão sem glúten, feito de grão-de-bico, quinoa e lentilha, que estão se tornando mais populares, a nova tendência é o espaguete feito de abobrinha. Trata-se de tirar bem fios de abobrinha que lembram espaguete e são servidas com molhos variados. Quer ir mais longe? Espaguete de algas é a pedida.

A cor púrpura

Receitas e embalagens de alimento em geral estão adotando os tons próximos ao púrpura, incluindo aspargo, couve-flor, batatas doces (as rosadas, claro), arroz negro e açaí.

FONTE

domingo, 22 de janeiro de 2017

Benefícios do Pimentão



Introduzido na culinária de diversos países e nativo da América Central e do norte da América do Sul, o pimentão pode ser encontrado de diversas cores, como laranja, roxo, vermelho, amarelo, creme e verde. Porém, a cor verde, amarelo e vermelho são mais utilizadas para o preparo de inúmeros pratos, por exemplo, sopas, saladas e assados. Sobre a variedade de cores, é interessante ressaltar que, inicialmente, quando ele não está maduro, apresenta-se na cor verde e conforme seu amadurecimento ocorre, sua cor final vai sendo apresentada.

Naturalmente, por ser muito conhecido na culinária, algumas informações sobre o alimento acabam sendo facilmente conhecidas, como sua diversidade de cores e seu gosto não ardido, mas será que podemos dizer o mesmo sobre os seus grandes benefícios? Antes de falar sobre todos esses benefícios, é importante lembrar que o ideal para aproveitar seus nutrientes, é comê-lo cru ou cozinhá-lo no vapor para que suas propriedades não sejam totalmente perdidas.

Conheça a seguir mais sobre 10 benefícios do pimentão:

1. Ajuda a manter a pele e o cabelo mais saudáveis


Muitas pessoas buscam melhorar a saúde dos cabelos, unhas e outras partes do corpo com diversos produtos e, às vezes, se esquecem dos alimentos naturais. Nesse cenário, o pimentão acaba sendo um ótimo exemplo, já que seus nutrientes são muito benéficos para o corpo, por ser uma ótima fonte natural de vitaminas, por exemplo, a vitamina A e C, o pimentão acaba tendo um papel importante para a saúde da pele, da visão e até mesmo dos ossos!

A razão de sua colaboração para manter a pele e os cabelos saudáveis, é justamente as duas vitaminas citadas, a C, que tem como uma de suas funções a hidroxilação do colágeno, que é uma proteína essencial para o corpo, contribuindo para a firmeza e formação dos tecidos e a vitamina A, que colabora para a saúde do cabelo e para o desenvolvimento do tecido epitelial.

2. Colabora no controle do colesterol


Por conta de seus nutrientes, entre eles alguns antioxidantes e anti-inflamatórios, o pimentão pode auxiliar nas taxas de colesterol e dessa forma, com o sistema cardiovascular, colaborando para a prevenção de algumas doenças, como o AVC (Acidente Vascular Cerebral), principalmente se fizer parte de uma dieta saudável e balanceada.

3. Contribui para a visão


É fato que ter uma visão saudável é fundamental na vida das pessoas e os nutrientes presentes no pimentão, contribuem para esse caso. Principalmente, a vitamina A, que é um elemento indispensável para a qualidade visual. Essa vitamina está presente no pimentão em uma quantidade boa, não só ela como também a C, ambas contribuem para a saúde ocular.

Além disso, é importante destacar que deficiência da vitamina A, pode causar alguns problemas de saúde, como por exemplo a xeroftalmia, que pode afetar não só a produção de lágrimas, como também levar a grandes dificuldades para enxergar.

4. Colabora com o sistema imunológico


Os benefícios do pimentão para o organismo podem ser melhorados com uma dieta saudável, pois, por possui boas quantidades de vitaminas e minerais, o pimentão colabora para o reforço do sistema imunológico, contribuindo assim, para evitar algumas complicações na saúde. Suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias ajudam a proteger o organismo. Por exemplo, a falta da vitamina C, presente no pimentão e em outros alimentos, pode deixar os indivíduos mais propensos ao desenvolvimento de doenças, gengivas sensíveis e até mesmo cicatrização mais lenta de feridas, já que ela está ligada também formação do tecido conjuntivo do organismo.

5. Ajuda a emagrecer de maneira saudável


Sabia que 100 gramas de pimentão tem em torno de apenas 25 calorias? Ou seja, introduzindo o alimento a uma dieta balanceada, como, por exemplo, em saladas, dá para deixá-la mais rica, sem grandes preocupações com as calorias que ele contém. Além disso, a quantidade de gordura presente nesse alimento é muito baixa e ainda mais, não conta com colesterol.

6. Repõe o ferro que falta no metabolismo


Pimentão é recomendável para aqueles que sofrem de deficiência de ferro e para quem deseja ter uma dieta rica e balanceada, já que a Vitamina C é essencial para acelerar absorção de ferro ao corpo.

7. Ajuda a manter a saúde dos ossos


O pimentão contém cálcio, vitamina A, D e C, que contribuem para a saúde óssea e ainda mais, busca se alimentar bem e manter níveis adequados diferentes nutrientes no organismo, contribui para a prevenção de doenças que atingem os ossos. Nesse caso, a ingestão de cálcio e das vitaminas citadas, auxiliam na prevenção da osteoporose, que é uma doença que atinge os ossos e que pode ter como uma de suas características, a degeneração óssea.

8. Complementa os nutrientes da sua alimentação


Conforme apresentado nos itens anteriores, o pimentão conta com uma quantidade boa de vitamina A, C e, ainda, do complexo B. Além disso, ele contém ainda cálcio, magnésio e ferro. Esse conjunto de nutrientes no pimentão, torna o alimento muito positivo para a saúde, colaborando para os olhos, pele, cabelo, sistema cardiovascular, ossos e até mesmo a prevenção de doenças, por ajudar a fortalecer o sistema imunológico. Sem dúvidas, é uma ótima fonte de antioxidantes naturais e possui altos teores vitamínicos.

9. Possui propriedades anti-inflamatórias


Alguns dos nutrientes encontrados no pimentão, possuem propriedades anti-inflamatórias, que ajudam a combater substâncias que podem estimular uma inflamação, o que colabora para proteger o organismo de inflamações crônicas e complicações.

10. Tem ação analgésica


Apesar da capsaicina ser encontrada com mais abundância em pimentas, dando a elas um sabor mais ardido, ela está presente também, mesmo que de maneira menor, nos pimentões. Estudos relacionam ações analgésicas, antioxidantes e atividades favoráveis para a perda de peso e doenças cardiovasculares com a capsaicina. Por isso, em diversas pesquisas, é possível perceber sua citação.

Por conta disso, ele pode contribuir na redução de dores artríticas e musculares. É claro que, não se pode idealizar o pimentão como fonte de poder curativo ou algo do gênero, assim como diversos alimentos, ele possui nutrientes que podem colaborar com a saúde. Por isso, torna-se cada vez mais importante, buscar orientação para manter uma dieta cheia de alimentos que contribuem para seus objetivos e uma saúde melhor.

São inúmeros motivos para introduzi-lo na dieta, mas não esqueça de lavá-lo bem antes do consumo e, assim como, outros alimentos, deve ser consumido de maneira consciente e deve contar com o cuidado na hora de comprar, no caso dos pimentões é indicado que estejam limpos, firmes e com cascas brilhantes.


Veja um vídeo sobre o pimentão e seus benefícios:


FONTE

https://biosom.com.br/blog/alimentacao/10-beneficios-do-pimentao-para-saude/

sábado, 21 de janeiro de 2017

Importância das Vitaminas B na Saúde do Cérebro e no Combate à Demência


Diversos estudos investigaram o impacto da suplementação com vitamina para prevenir e/ou tratar a disfunção e o declínio cognitivo.

Sabe-se bem que as gorduras saudáveis, como as gorduras ômega 3 de origem animal são realmente importantes para a saúde do cérebro, mas outros nutrientes, como as vitaminas, também são necessários para o bom funcionamento do cérebro.

Recentemente, um estudo coreano concluiu que a administração de um suplemento polivitamínico para idosos que sofriam de leve deficiência cognitiva e depressão ajudou a melhorar os dois problemas.

As vitaminas B em particular, principalmente o ácido fólico natural (B9, também conhecido como ácido fólico sintético) e as vitaminas B6 e B12, têm sido notícia devido à sua poderosa função na prevenção do declínio cognitivo e problemas de demência mais graves, como o mal de Alzheimer.

A confusão mental e os problemas de memória são, na realidade, dois dos principais sinais de alerta de que você tem deficiência de vitamina B12, indicando sua importância na saúde do cérebro.

Vitaminas B e Ômega 3 — Uma Combinação Importante Para a Saúde do Cérebro

As baixas concentrações plasmáticas de ômega 3 e os altos níveis da homocisteína do aminoácido estão associados à atrofia cerebral, demência e mal de Alzheimer. As vitaminas B6, B9 e B12 ajudam a converter a homocisteína em metionina — um bloco de construção de proteínas.

Se você não obtém quantidade suficiente dessas vitaminas B, esse processo de conversão é prejudicado e, consequentemente, os níveis de homocisteína aumentam. Por outro lado, quando você aumenta o consumo de ácido fólico, vitamina B6 e vitamina B12, seus níveis de homocisteína caem.

Em um teste controlado por placebo publicado em 2015, 168 idosos diagnosticados com leve deficiência cognitiva foram designados aleatoriamente para receber o placebo ou a suplementação diária com 0,8 mg de ácido fólico, 20 mg de vitamina B6 e 0,5 mg de B12.

Vale a pena observar que essas doses são bem altas — bem acima da dose diária recomendada pelos Estados Unidos. Todos os participantes fizeram exames de ressonância magnética (IRM) do crânio no início do estudo e no final, dois anos mais tarde.

O efeito da suplementação com vitamina B foi analisado e comparado às concentrações básicas do ácido graxo ômega 3. O interessante é que apenas aqueles que tinham níveis altos de ômega 3 colheram efeitos benéficos das vitaminas B.
Vitaminas B Retardam Significativamente o Encolhimento do Cérebro

A homocisteína elevada está ligada à degeneração cerebral e as vitaminas B são conhecidas por suprimir a homocisteína.

Um estudo de 2010, no qual os participantes receberam novamente doses maiores do que o normal de vitaminas B, também revelou que as pessoas que receberam vitaminas B tiveram encolhimento cerebral bem menor do que o grupo do placebo.

Os participantes receberam placebo ou 800 microgramas (mcg) de ácido fólico, 500 mcg de B12 e 20 mg de B6. O estudo foi baseado na suposição de que controlando os níveis de homocisteína, talvez seja possível reduzir o encolhimento cerebral, retardando, assim, o início do mal de Alzheimer.

De fato, dois anos depois, aqueles que tinham recebido a dieta de vitamina B sofreram bem menos encolhimento cerebral do que aqueles que tinham recebido placebo. Os cérebros daqueles que tinham os níveis mais altos de homocisteína no início do teste encolheram metade da taxa daqueles que tomaram placebo.

Pesquisa Mostra que Vitaminas B Retardam o Mal de Alzheimer

Um estudo de 2013 avança essa pesquisa, mostrando que não só as vitaminas B desaceleram o encolhimento do cérebro, como retardam especificamente o encolhimento nas regiões do cérebro conhecidas como as mais gravemente impactadas pelo mal de Alzheimer. Além disso, nessas áreas específicas, o encolhimento foi reduzido em até sete vezes.

Os exames cerebrais mostram claramente a diferença entre o placebo e a suplementação com vitamina na atrofia cerebral. Assim como nos estudos acima, os participantes que tomaram altas doses de ácido fólico e de vitaminas B6 e B12 diminuíram os níveis sanguíneos de homocisteína e o encolhimento cerebral caiu em até 90%.

Conforme observado pelos autores:

" … as vitaminas B reduzem a homocisteína, levando diretamente a uma redução na atrofia da massa cinzenta, retardando, assim, o declínio cognitivo.

Nossos resultados mostram que a suplementação com vitamina B pode retardar a atrofia de regiões específicas do cérebro que são um componente importante no processo do mal de Alzheimer e que estão associadas ao declínio cognitivo".

Alimentos Ricos em B12 Reduzem o Risco de Alzheimer na Idade Avançada

Outra pesquisa corroborativa é um pequeno estudo finlandês publicado em 2010. Descobri que as pessoas que consomem alimentos ricos em vitamina B12 podem reduzir o risco de Alzheimer na idade avançada.

Para cada aumento unitário no marcador de vitamina B12 (holotranscobalamina), o risco de desenvolver Alzheimer caiu 2%. Isso reforça a necessidade de incluir na sua alimentação uma boa quantidade de alimentos ricos em vitamina B, como carnes, aves, ovos, produtos laticínios e peixes selvagens.

As verduras folhosas, favas e ervilhas também fornecem algumas das vitaminas B, mas se você tem uma alimentação totalmente vegetariana ou vegana, você tem risco bem maior de ter deficiência de vitamina B12, já que a B12 está naturalmente presente nos alimentos que vêm dos animais, como carnes, peixe, ovos, leite e produtos lácteos.

Nesse caso, a suplementação é realmente importante. Outra questão é se seu corpo consegue absorver adequadamente a B12. Ela é a maior molécula de vitamina que conhecemos e, por causa de seu tamanho avantajado, não é facilmente absorvida.

É por isso que vários, se não a maioria, dos suplementos de B12 não conseguem fornecer qualquer benefício. A vitamina B12 requer uma proteína gástrica chamada fator intrínseco para se ligar a ela, permitindo que seja absorvida no final do intestino delgado (íleo terminal). O fator intrínseco é absorvido primeiramente, puxando a molécula B12 anexada junto com ele.

À medida que você envelhece, sua capacidade de produzir o fator intrínseco diminui, aumentando, assim, o risco de deficiência de vitamina B12. O uso de metformina (Glifage, Glifage XR, Dimefor e Glucoformin) também pode inibir a absorção de B12, principalmente em doses maiores.

A ingestão de quatro ou mais xícaras de café por dia pode reduzir o armazenamento de vitamina B em até 15%, e o uso de antiácidos também prejudica a capacidade do seu corpo de absorver a B12.

Outras Vitaminas Importantes Para a Saúde do Cérebro

Além das vitaminas B, as vitaminas C e D também são importantes para a saúde ideal do cérebro. A vitamina C exerce um papel na produção de neurotransmissores, entre eles a serotonina, que tem atividade antidepressiva.

A vitamina C também comprovou melhorar o QI, memória, e oferecer proteção contra a degeneração do cérebro relacionada à idade e derrames cerebrais.

Em um estudo, a combinação de vitamina C e E (que funciona sinergicamente) ajudou a reduzir o risco de demência em 60%. A vitamina C também tem efeitos desintoxicantes e, devido à sua capacidade de atravessar a barreira hematoencefálica, pode ajudar a remover os metais pesados do cérebro.

A vitamina D, um hormônio esteroide produzido na pele em resposta à exposição solar, também tem efeitos profundos no cérebro. As mulheres grávidas, principalmente, devem saber disso, pois a deficiência de vitamina D durante a gestação pode evitar o desenvolvimento correto do cérebro no feto, além de uma série de outros problemas.

Após o nascimento, as crianças precisam de vitamina D para desenvolvimento contínuo do cérebro e, na vida adulta, os níveis ideais mostraram ajudar a prevenir o declínio cognitivo.
Onde Encontrar Esses Valiosos Nutrientes Para o Cérebro

Não existe nada "normal" sobre o declínio cognitivo. Geralmente, ele acontece devido às escolhas ruins de estilo de vida, começando com uma alimentação deficiente em nutrientes que é muito rica em açúcares, carboidratos não vegetais, gorduras não saudáveis como gorduras trans e muitas toxinas (pesticidas e aditivos artificiais, etc).

Como regra geral, recomendo obter a maioria, se não todos os nutrientes, de ALIMENTOS REAIS, preferivelmente orgânicos, para evitar pesticidas tóxicos, e cultivados localmente. Dependendo da situação e do problema, no entanto, você pode precisar de um ou mais suplementos.

Para começar, revise a seguinte lista de alimentos que contêm os nutrientes cerebrais mencionados neste artigo: ômega 3 de origem animal, vitaminas B6, B9 e B12, C e D. Se você acha que raramente ou nunca come alimentos ricos em um ou mais desses nutrientes, considere tomar um suplemento alimentar de alta qualidade.

Fiz algumas sugestões para serem levadas em conta ao selecionar um bom suplemento.

NutrienteFontes alimentaresRecomendações de suplementoÔmega 3 de origem animal Peixes gordurosos pobres em mercúrio, como salmão selvagem do Alasca, sardinhas e anchovas, além de carne de gado alimentado com pasto. 

As sardinhas, em particular, são uma das fontes mais concentradas de gorduras ômega 3, com uma porção contendo mais de 50% do valor diário recomendado. O óleo de krill antártico é uma escolha sustentável. Ele também tem o benefício extra de conter a astaxantina natural, que ajuda a prevenir a oxidação.

Outra boa opção é o óleo de salmão selvagem do Alasca.

Vitamina B6 Peru, carne de gado, frango, salmão selvagem, batata-doce, batata, sementes de girassol, pistache, abacate, espinafre e banana. A levedura nutricional é uma excelente fonte de vitaminas B, principalmente B6. Uma porção (2 colheres de sopa) contém quase 10 mg de vitamina B6.

Não confunda com a levedura de cerveja ou outras leveduras ativas; a levedura nutricional é feita de um organismo cultivado em melaço, e depois é colhida e seca para desativar a levedura.

Ela tem um sabor de queijo agradável e pode ser acrescentada a diversos pratos diferentes. Para obter dicas, consulte esse post de um blog vegano.

Ácido fólico (B9) Verduras folhosas orgânicas frescas e cruas, principalmente brócolis, aspargos, espinafre e nabo, além de uma ampla variedade de favas, principalmente lentilhas, mas também feijão carioca, grão-de-bico, feijão branco e preto e feijão roxo. 

O ácido fólico é um tipo sintético de vitamina B usado em suplementos enquanto o ácido fólico natural é a forma encontrada em alimentos. 

Considere que: o ácido fólico vem da folhagem (plantas com folhas comestíveis). 

Para que o ácido fólico possa ser útil, ele deve primeiramente ser ativado em sua forma biologicamente ativa – L-5-MTHF. 

Essa é a forma capaz de atravessar a barreira hematoencefálica e de oferecer a você os benefícios cerebrais mencionados. 

Quase metade da população tem dificuldade em transformar o ácido fólico em sua forma bioativa devido à redução genética na atividade enzimática.

Por esse motivo, se você toma um suplemento de vitamina B, certifique-se de que ele contenha ácido fólico natural em vez de ácido fólico sintético. 

A levedura nutricional é uma excelente fonte.

Vitamin B12

A vitamina B12 é encontrada quase que exclusivamente em tecidos animais, inclusive alimentos como carne e fígado de gado, cordeiro, pargo, carne de cervo, salmão, camarão, vieira, aves, ovos e produtos lácteos. 

Os poucos alimentos vegetais que são fontes de B12 são, na verdade, análogos de B12 que bloqueiam a absorção da verdadeira B12.

Considere também limitar o açúcar e comer alimentos fermentados. 

Todo o grupo da série de vitaminas B é produzido no seu intestino, pressupondo que você tem uma flora intestinal saudável. 

O consumo de alimentos reais, preferivelmente orgânicos, juntamente com alimentos fermentados, fornece ao seu microbioma fibras importantes e bactérias benéficas que ajudam a otimizar sua produção interna de vitamina B. A levedura nutricional também é rica em B12 e é altamente recomendada para vegetarianos e veganos.

Uma porção (2 colheres de sopa) fornece quase 8 microgramas (mcg) de vitamina natural B12.

O spray sublingual ou injeções de vitamina B12 também são eficazes, pois permitem que a grande molécula B12 seja absorvida diretamente na corrente sanguínea.

Vitamina C Pimentão, pimenta-malagueta, couve de Bruxelas, brócolis, alcachofra, batata-doce, tomate, couve-flor, couve-de-folhas, mamão papaia, morango, laranja, kiwi, toranja, melão cantaloupe e limão.

Para aumentar seu consumo de frutas e hortaliças, considere os sucos. Como alternativa, você também pode fazer hortaliças fermentadas em casa.

A vitamina C presente no chucrute (repolho fermentado) é cerca de seis vezes maior que a mesma quantidade de repolho não fermentado, portanto essa é uma excelente maneira de aumentar o consumo de vitamina C. A forma mais eficaz de vitamina C oral é a vitamina C lipossomal. 

Ela não está relacionada às diversas complicações da vitamina C tradicional ou ácido ascórbico (como o distúrbio gastrointestinal), permitindo que você obtenha maiores concentrações intracelulares.

Você pode esperar um aumento significativo de concentração plasmática de vitamina C nas doses entre 30 e 100 mg/dia.

O consumo frequente de vitamina C durante o dia é mais eficaz do que uma dose grande uma vez por dia.

Vitamina D

A vitamina D é produzida naturalmente quando a pele é exposta à luz solar.

Embora você consiga obter um pouco de vitamina D de carnes de animais alimentados com pasto e outros alimentos integrais e fortificados, a exposição ao sol é a fonte principal e ideal. Ao tomar a vitamina D em suplemento, certifique-se também de aumentar o consumo de vitamina K2 e magnésio, sejam eles provenientes de alimentos ou em suplemento.

FONTE

http://portuguese.mercola.com/sites/articles/archive/2016/12/05/vitamina-b-saude-cerebro.aspx

domingo, 15 de janeiro de 2017

Cominho


O Cominho é um tempero que proporciona um aroma forte, única e relaxante. Ele é usado para fornecer sabor a várias comidas. Esta especiaria é amplamente utilizado em caril, guisados ​​e sopas. O Cominho tem poucas calorias, pois fornece apenas cerca de 20 calorias a cada 100g. O Cominho é uma excelente fonte de Ferro, fibra alimentar, proteína e minerais.


Os Benefícios do Cominho



Cominho Auxilia na Digestão: O Cominho Mostrou-se ser muito benéfico para a digestão. As Sementes de cominhos ajudar na secreção de enzimas pancreáticas, que Auxilia na Digestão e ajuda na absorção dos nutrientes. Além de Auxilia na secreção de ácidos biliares. O Cominho contém um composto chamado cuminaldehyde que ativa a glândula salivar e facilita a digestão dos alimentos.



Benefícios do Cominho Para a Memória: Estudos Realizados mostrou-se que o Cominho aumentar a memória de uma pessoa. Pois, ele ajuda a manter a acetilcolina no cérebro, que ajuda a reter a memória. Cominho também contém antioxidantes que são úteis para aumentar a memória. Além disso, Ele também ajuda Para uma rápida recuperação de amnésia.

Benefícios do Cominho Para Pele: O Cominho é excelente fonte de vitamina E, Ela ajuda a manter a pele saudável e jovem. Cominho também tem propriedades anti-microbianas, que ajuda a pele a partir de infecções fúngicas e virais. Além disso, A pasta de Cominho podem ser aplicado em furúnculos, espinhas, eczema, psoríase e várias outras doenças relacionadas com a pele para uma cura mais rápida. Cominho é uma fonte de fibra dietética, que auxilia no processo de limpeza e remove as toxinas. O Cominho também ajuda a eliminar toxinas do corpo de forma natural, com isso terá uma redução das rugas e tornando-a a pele suave e macia.

Cominho Reduz o estresse e insônia: O Cominho ajuda na indução do sono. Ele é uma boa fonte de vitamina B, que ajuda na melhoria do sono. Verifique que os óleos essenciais do Cominho podem desencadear o sono devido aos seus efeitos hipnóticos. uma boa forma e comer uma Banana e Cominho antes de dormir para induzir o sono.

Benefícios do Cominho contra infecções: O Cominho tem propriedades anti-sépticas e anti-microbianas. Ele mantém várias infecções virais na baía. Eles ajudam a impulsionar a imunidade do corpo. Além disso, o Cominho mostrou-se ser muito benéfica para os órgãos respiratórios. Devido à sua natureza quente que ajuda a suprimir a formação de muco. A Constipação podem ser prevenida por o consumo de cominho, já que contém Vitamina C e ferro, portanto, melhorá a imunidade e as infecções ficaram longe. Ele também fornece com grande alívio quando as sementes de Cominho são tomadas junto com a água quente, as folhas de Manjericão e mel. Dor de garganta, gripe e outras infecções virais também são proibidos por ele.

Cominho Previne a Anemia: O Cominho por ser uma excelente fonte em ferro, ele ajuda na formação de hemoglobina e de eritrócitos aumentado no sangue. Hemoglobina ajuda na transferência de oxigênio a diferentes partes do corpo do organismo. O alto consumo de oxigênio ajuda a fazer uma pessoa a elimina fadiga e tonturas.

Benefícios do Cominho Contra o Câncer: O Cominho é rico em antioxidantes e em vários óleos essenciais. Eles ajudam na secreção de enzimas anti-cancerígenos de glândulas. portanto ajuda a prevenir o crescimento de células cancerosas. Ele é conhecido por proporcionar um forte atividade captadora de radical. Eugenol e limoneno no Cominho tem fortes propriedades anti-tumorais. Eles são úteis na prevenção de Câncer de cólon, mama, fígado e de estômago.

Outros Benefícios do Cominho


Alta quantidade de ferro e cálcio faz com que o Cominho seja realmente útil para mulheres que amamentam, pois ajuda na secreção de leite.

O Cominho é um anti-congestiva da natureza e é útil contra vários problemas respiratórios como a Asma e bronquite.

O Cominho possuir alto teor de fibra dietética.Portanto ele ajuda contra problema de constipação.

Benefícios do Chá de Cominho

O chá de cominho é recomendado em inúmeras situações desde desintoxicação do organismo, até mesmo o tratamento de transtornos digestivos. O cominho é composto por propriedades positivas para o fígado, pois os benefícios encontrados nesse condimento faz com que estimule o desempenho das funções do fígado. Além de conter uma grande quantidade de ferro, o cominho é composto de benefícios anti-sépticos. Sem falar que a semente de cominho apresenta propriedades que evitam o câncer. Consumir o cominho é bom para melhorar o funcionamento do organismo e fazer com que ele absorva os nutrientes de uma forma mais rápida.

O cominho pertence a família das Umbelíferas. Essa planta se dá uma vez no ano. Suas raízes são brancas, seu é caule levantando, com diversos ramos, e chega a crescer até 40cm de altura. São plantas com um cheiro bastante forte e fazem parte das espécies oleaginosas. Sua principal função é como condimento. Podemos encontrar o cominho em diversas maneiras, como essência, infusão, tintura etérea e em pó.

As partes utilizadas do cominho são suas folhas e também as sementes. O cominho pode ser utilizado de três maneiras, pode ser tratados diversos problemas de saúde com o chá de cominho, depois que suas folhas estiverem secas. As sementes do cominho são usadas para preparar salsichas e licores. As sementes moídas ou inteiras do cominho são usadas para temperar assados, pães, carnes, sopas, assados, doces, bolos, queijos, entre outros alimentos.


Benefícios do chá de Cominho

Comer todos os dias as sementes de cominho impulsiona a secreção das enzimas do pâncreas, o que faz com que o organismo faça a absorção completa dos nutrientes encontrados nos alimentos;

O cominho em dosagens corretas pode ser utilizado, como laxante, relaxante natural, cicatrizador de ferimentos, pois contém propriedades antifúngico e antimicróbico. Complicações digestivas podem ser tratadas com esse condimento. Acabe com os gases com ajuda do cominho.

O cominho contém uma alta quantidade de ferro e timol, auxilia produção de leite materno. Conduz o fígado para o bom desenvolvimento. Contém propriedades antissépticas, que auxilia na melhor desempenho para limpar o organismo; O chá de cominho quando quente é pode tratar casos de asma e bronquite. Age contra a anemia, pois contém uma grande quantidade de ferro que a o elemento principal pra evitar essa doença.

O óleo de cominho age no tratamento de resfriados e é um estimulante para a memória. Pode ser usado também no tratamento de picadas de inseto e fungos. E, dá forças aos cabelos e a pele, pois contém altas doses de vitamina E, fósforo e timol, que agem em combate as toxinas e previnem o aparecimento de acnes e furúnculos.

Chá de Cominho – Debilidade gastrintestinal

Ingredientes
1 xícara de chá de água fervente
2g de semente de cominho

Modo de fazer

Coloque em xícara (de chá) com água fervente, colocar 2g de semente de cominho. Abafe por mais ou menos 10 minutos, coar e beber antes de fazer as refeições principais.

Chá de Cominho – Complicações estomacais

Ingredientes
1 xícara de chá de água
1g de semente de cominho
1 pedaço de carqueja
1 g de semente de angélica

Modo de fazer

Ferva por mais ou menos 5 minutos em uma xícara (de chá) com água, 1g de semente de cominho, um pedaço de casca de carqueja e 1g de semente de angélica. Coe e beba antes de fazer as refeições principais.

Chá de cominho – Flatulências intestinais (gases)

Ingredientes
20g de cominho
100 mlde álcool neutro 60º
Um pouco de água

Modo de fazer

Macere por 5 dias 20g de sementes de cominho em 100ml de álcool neutro 60º. Coe e dilua uma xícara (de chá) em um pouco d’água e beba depois de fazer as refeições mais importantes.

Cominho – Como vinho digestivo

Ingredientes
30g de sementes de cominho
1 litro de vinho branco

Modo de fazer

Macere por 5 dias 30g de sementes de cominho em 1 litro de vinho branco doce. Coe e beba um cálice depois de fazer as refeições mais importantes.

FONTE

http://www.saudedica.com.br/os-10-beneficios-do-cominho-para-saude/

http://remediodaterra.com.br/beneficios-do-cha-de-cominho/

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Jejum Intermitente: o que é?!



**Minha despedida das "gordices" está demorando. Sempre que recupero minha lucidez prometo não dar trela as recaídas... Li o texto abaixo e vou recomeçar o JI**

Jejum intermitente (Intermitent Fasting) é uma prática que consiste em passar intervalos (definidos em horas) sem alimentação, alternando com períodos de alimentação normal. Bastante comum entre os praticantes de dietas de restrição de carboidratos (low carb) e paleo, o jejum intermitente (JI) tem despertado cada vez mais interesse e ganhou muita popularidade de 2016 em diante. O motivo é justo: o jejum, antes condenado, virou o jogo e a ciência já o associa ao rápido emagrecimento, auxílio no ganho de massa muscular e à renovação celular, dentre outros benefícios.

Outro dia cheguei da faculdade à noite, por volta de 22:30, e me lembrei que minha última refeição tinha sido às 6:30h da manhã. E mais: eu poderia ficar sem comer até o outro dia tranquilamente. Para quem ainda não faz isso, pode parecer um absurdo. Mas pode acreditar, é natural e simples. Podemos pular refeições se não tivermos tempo ou fome. Às vezes nem lembramos. E isso dá uma liberdade enorme! Não sou escravo de ter que ficar comendo de 3 em 3 horas. Se estou num local que não ofereça algo interessante para meu corpo, eu simplesmente não como. E isso realmente maximiza a velocidade do emagrecimento e me mantém em um nível de disposição acima do normal!“

Este comentário acima é meu, recorrente nas minhas explicações sobre o JI. Claro que não basta começar a definir janelas de jejum e abusar da sua força de vontade para cumpri-las (a não ser que você seja um monge ou um samurai, :D). No meu caso, como fiz uma adaptação low carb de alguns dias e escolho bem os alimentos das janelas sem jejum, consigo levar sem fome, sofrimento ou qualquer incômodo. E é isso que vou te explicar neste artigo. Se quiser antes conhecer como foi tudo isso na minha vida, deixo link abaixo:

Obeso, hipertenso e pré-diabético aos 36 anos… Clique aqui e leia sobre como a dieta low carb com jejum intermitente me tiraram dessa situação, em apenas 3 meses, em que perdi mais de 20 kg.

O que você verá neste artigo sobre Jejum Intermitente

Nos próximos parágrafos, você saberá exatamente como colocar os jejuns intermitentes em prática sem depender muito da força de vontade e sem se arriscar. Você verá que não basta apenas definir janelas (horários fixos) de alimentação e de jejum e começar a se esforçar para cumpri-las. No texto, você irá entender exatamente:Jejum intermitente: um estudo prático para você tirar proveito desta prática cada vez mais comum no meio low carb e paleo.

Por que o jejum intermitente está se tornando tão popular entre as pessoas que buscam ganho de massa muscular e emagrecimento acelerado, principalmente entre os praticantes de low carb e paleo.

Os impressionantes benefícios do jejum intermitente (que renderam até um Prêmio Nobel de Medicina em 2016).

As maneiras naturais, indicadas (e mais simples) para começar a praticar os jejuns, sem passar fome, sofrimento e sem se arriscar com a falta de nutrientes.

Os dois erros que muitas pessoas cometem no início e acabam por desistir dos jejuns intermitentes.

Apesar de muitas vezes mal compreendido e principalmente divulgado de maneira equivocada (ou mal intencionada) pela grande mídia, a prática do jejum intermitente (itermitent fasting) é baseada em fundamentação científica sólida e consistente, além de fazer muito sentido do ponto de vista evolutivo.

O que o Jejum Intermitente não é

Jejum intermitente não é uma dieta. É uma prática geralmente usada para acelerar resultados em alguns tipos de dieta, desde que realizada com consciência.

Jejum intermitente não é SENTIR FOME. Se durante o período da janela de jejum a fome apertar, algo certamente está errado. Sugiro parar, avaliar e planejar novamente.

Jejum intermitente não é algo para sentir fraqueza ou falta de energia. Pelo contrário: durante os períodos de jejum (consciente), é mais comum aumento da disposição e energia.

Jejum intermitente não é cortar nutrientes. Pelo contrário: É priorizar densidade nutricional e colher os benefícios durante os jejuns. Explico melhor sobre a isso no final do artigo.

Princípios do Jejum Intermitente


Jejum intermitente: gordura é o estoque de combustível. Nosso corpo precisa se adaptar, aumentando o conjunto de enzimas queimadoras de gordura em nosso sangue.

Gordura: o combustível prioritário nos jejuns intermitentes

Gordura corporal é energia armazenada. Se você têm comida, não há motivos para seu corpo usar a reserva de gordura. Em períodos sem comida, a gordura corporal será utilizada. Nossa espécie evoluiu assim.

As duas maneiras de começar Jejum Intermitente

Maneira sofrida: Fazer sem preparar o organismo com corte de carboidratos (low carb)

É possível começar hoje mesmo com a sua dieta normal? Sim! Muitas pessoas ainda fazem assim. Dá resultado? Sim, elas emagrecem. Porém, sinceramente, não recomendo. Fazendo sem adaptar antes o corpo com alguns dias em low carb (explico melhor como isso funciona mais adiante), torna-se um processo forçado e muitas vezes sofrido… ou seja, insustentável com o passar do tempo. Será necessária uma força de vontade acima da média e este é, sem dúvidas, o erro mais comuns que identifico nos praticantes de Jejum intermitente nas redes sociais.

Maneira tranquila: Fazer a Lipo-Adaptação, através da redução de carboidratos

Ao ficar um tempo (geralmente 3 a 10 dias) adaptando o corpo com baixos níveis de carboidratos (low carb), antes do primeiro jejum mais prolongado (processo denominado lipo-adaptação), o corpo trabalhará melhor com a queima de gordura. Menos fome, menos sofrimento e a tendência será fazer dos jejuns intermitentes um hábito saudável e definitivo (veja benefícios logo abaixo). Isso é ser sustentável. Portanto, low carb é altamente indicado para a prática do jejum intermitente. O diagrama abaixo permite observar como o consumo de carboidratos está altamente relacionado com a fome.


Os carboidratos aumentam a glicemia, que provoca picos de insulina. Estes picos provocam a fome e dificultam a prática do jejum intermitente

Jejum intermitente (JI) e low carb

Como vimos acima, é importante estar adaptado em low carb antes de iniciar o primeiro intervalo de jejum intermitente. Isso eu chamo de jejum intermitente consciente. Não se deve passar fome. Não se deve sentir fraqueza, tontura ou qualquer tipo de mal-estar. Seu corpo é o principal “termômetro”. Afinal, para isso, as enzimas “queimadoras de gordura” devem estar dominantes, em relação às “queimadoras de carboidratos” no nosso sangue.

Se você está tendo o primeiro contato com este tipo de dieta (low carb, dieta paleo, etc) através deste artigo, sugiro que leia o artigo abaixo, de maneira a entender low carb e praticar os seus jejuns intermitentes sem passar fome:

IMPORTANTE:
1) Se você não tem tempo para estudar e quer começar a aplicar low carbe jejum intermitente logo, recomendo que siga um programa de emagrecimento passo a passo. A mídia tem dado muito destaque para o programa Código Emagrecer de Vez. Pensando nisso, fiz uma avaliação completa do programa para que você possa decidir se vale a pena pra você: (CLIQUE AQUI antes de pensar em entrar). O Código é um passo a passo centrado em Jejum intermitente, low carb e alimentação forte (um outro nome para paleo).

2) Se quer iniciar um estudo aprofundado e mais teórico, desde as raízes… entendenda a forma mais saudável de se fazer low carb, este nosso artigo (link abaixo) é indicado para começar a entender paleo, low carb, jejum intermitente e suas relações:

Resumindo o ponto-chave do Jejum Intermitente:

Para se sentir bem durante o período do jejum intermitente, o conjunto enzimático predominante no seu corpo deve estar favorecendo a queima da gordura, e não dos carboidratos. É o que chamamos de lipo-adaptação.

Essa adaptação (lipo-adaptação) leva um tempo que varia de pessoa para pessoa. Geralmente, entre 3 e 10 dias em low carb (de preferência priorizando alimentos não processados – naturais). Atletas costumam levar mais tempo.

Como saber se já está lipo-adaptado para começar os jejuns intermitentes?

O principal sinal é a redução drástica da fome. Você sente que poderia pular uma refeição de maneira natural e tranquila (sem forçar para isso).

Faça um teste prático. Eu, por exemplo, se decido preparar um omelete com 2 ovos pela manhã, realmente não penso em comer nada por muitas horas. Na hora do almoço, poderia prorrogá-lo para o final da tarde tranquilamente se quisesse. Este é o melhor sinal de que pode começar períodos em Jejum intermitente. Sugiro começar com 1 ou dois períodos de 12 horas dentro de uma semana. Se isso for muito fácil pra você, aumente a janela de jejum para um protocolo com maior tempo em jejum (veja os benefícios e explicações logo abaixo no artigo).

Outra boa forma de se testar para começar é simplesmente pulando o café da manhã e avaliando se isso foi um sacrifício para você (eu comecei assim). Lembre-se: ao dormir, já estamos fazendo jejum e é fácil e conveniente estender o tempo desta janela sem alimentos ao acordar. Sugiro um café e uma água com gás, por exemplo, que não quebram o jejum.

Fome ou vontade de comer?

Algumas pessoas confundem fome com vontade de comer. Às vezes, uma maneira de diferenciar é imaginar se você comeria algo que não gosta muito ou mesmo com um gosto neutro (clara de ovo?) para você naquele momento. Se a resposta for “Sim”, você está com fome. Seria melhor continuar em low carb por mais alguns dias antes de começar com os jejuns intermitentes.

Outros sinais que está adaptado com low carb

Outro sinal é o aumento da disposição. Menos preguiça ao despertar. Alguns sentem um “bolo”, ou “nó” no fundo da garganta. Uma sensação de satisfação, sem “peso” no estômago. Algumas pessoas também sentem hálito forte.

Outro sinal frequente é o aumento do rendimento dos treinos físicos. Vontade de fazer mais atividade física, mesmo em estado de jejum. Se sentir desânimo ou preguiça ao fazer atividade física em jejum, provavelmente você ainda precisará de alguns dias em low carb para adaptação antes do primeiro jejum prolongado.

Benefícios do Jejum Intermitente



Benefícios do jejum intermitente vão muito além do emagrecimento

Quando comecei a escrever este artigo, imaginei que o mais difícil seria convencer as pessoas que comer de poucas em poucas horas – 3 em 3 horas, por exemplo (rito “sagrado” para alguns) é o pior a ser feito. Convencer que praticar jejum intermitente seria saudável e traria benefícios diversos, por mais que a mídia predominante afirmasse (e afirma) o contrário.

Seria bem difícil, até o surgimento de estudos de alta qualidade (ensaios clínicos prospectivos e randomizados) que mostram os benefícios do jejum intermitente, além do Premio Nobel de Medicina de 2016, sobre autofagia, estado altamente relacionado com o estado de jejum. Abaixo cito os benefícios e logo em seguida, a parte prática! Veja só:

Premio Nobel de Medicina, Autofagia e Jejum intermitente

O médico Yoshinori Ohsumi foi laureado com o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, em 2016, pelas suas descobertas da autofagia como um processo fundamental para a vida.

Mas o que é autofagia?

Simplificando bastante, é um estado de renovação celular. Partes ruins das células são consumidas e renovadas. Neste estado, provocado em situações de jejum, por exemplo, há um aumento nas taxas do hormônio do crescimento (GH), que auxilia no ganho de massa magra e em idosos, previne a osteoporose e perda muscular. Este estado é altamente estimulado nos jejuns intermitentes.

Não deixe de ler esta minha análise/opinião sobre o Código Emagrecer de Vez(programa passo a passo para emagrecimento com low carb e jejum intermitente).

Outros Benefícios (provados) do jejum intermitente:

Dentre outras consequências, sempre publicadas em pesquisas de alta qualidade, o médico especialista, Jason Fung, expert em jejum intermitente e autor de livros que são referências na área, cita:

Rápido Emagrecimento;
Controle de diabetes tipo 2, reduzindo a glicemia e os picos de insulina;
Prevenção da perda de massa muscular: durante jejuns mais longos, aumento do hormônio do crescimento (GH). Isso é ainda mais importante em pessoas na terceira idade:
Com o avanço da idade, as taxas deste hormônio (GH) caem;
O Jejum intermitente prolongado substitui (repõe) o hormônio do crescimento;
Ocorre o aumento da densidade dos ossos e maior crescimento dos músculos;
Prevenção da osteoporose e sarcopenia (perda de músculos com a velhice) – desaceleração do envelhecimento;



Jejum intermitente auxilia no ganho de massa muscular

Autofagia: lixo sub-celular é removido e células são renovadas, com ação do hormônio do crescimento (GH), como citado acima. Este é um dos motivos da popularidade do jejum intermitente para ganho de massa muscular.

Como começar o Jejum Intermitente sem passar fome (Na prática!)

Os protocolos mais populares dos Jejuns Intermitentes

Você deve ter percebido que a melhor maneira de começar com o Jejum é a maneira natural. Não há sofrimento e nem fome. Sugiro começar com um protocolo de 12 horas (protocolo 12/12) e, quando isso for tranquilo, usar o protocolo de 16 horas (protocolo 16/8, conforme explico abaixo). Em pouco tempo, será bem fácil alguns jejuns de 24 horas ou mais.

O protocolo 12/12 significa que você terá uma janela de 12 horas em jejum. Poderá beber água, chá ou café sem problemas. Nada adoçado (nem açúcar, nem adoçante). As demais 12 horas do dia será a janela de alimentação. Priorize sempre alimentos low carb e paleo (naturais, sem processamento industrial, com boa carga de nutrientes).

Seguindo o mesmo raciocínio, no protocolo 16/8, você terá 16 horas de jejum e poderá se alimentar durante 8 horas. É o protocolo mais comum. Traz ótimos resultados e é fácil de implementar na prática, pois o tempo dormindo conta como jejum. Veja na seção a seguir, como foi isso no meu dia a dia.

O início do Jejum: Jantar

No início, após passar 2 semanas em low carb, eu já tinha total controle da minha fome. Assim, poderia escolher o que e quando comer. Por volta das 20h eu fazia uma boa refeição, priorizando densidade nutricional e sem medo das gorduras naturais. Pulava o café da manhã e almoçava por volta de 12h. Isso dá um total de 16h em jejum (protocolo 16/8). As 8 horas restantes do dia era a janela de alimentação, onde eu inseria o almoço e o jantar, novamente às 20h. E o que eu comia?

Costumo jantar fígado acebolado, bifes com ovos e saladas diversas, carnes assadas (com gordura) – se ainda não perdeu o medo das gorduras naturais, leia este artigo do blog, omeletes bem preparados. Para dar uma ideia, seguem algumas fotos das minhas refeições noturnas:

Jejum intermitente e low carb: facilitando as coisas. 

Omeletes são sempre boas refeições nas janelas de alimentação
dos protocolos de jejum intermitente 

X-tudo (sem pão). Ovos, queijo, bacon artesanal, hambúrguer caseiro,
saladas, cebola e o que mais gostar no cardápio paleo low carb

Lembre-se: coma até se sentir satisfeito! Não contabilize calorias ou porções. Comida de verdade deve ser comida (e não evitada!).

Interrompendo o jejum (desjejum): Almoço low carb

Considero o almoço a refeição mais importante (para mim) e, consequentemente, mais forte do dia. No início, almoçava por volta de 12h, o que dava, portanto, 16 horas de Jejum.

Abaixo, nas fotos, exemplos de coisas que eu gosto de almoçar: ovos com molho de tomate, berinjela recheada com carne moída, saladas diversas regadas com um bom azeite, couve-flor, brócolis, carnes (sem problemas se forem mais gordas). Esse mito da gordura animal já exploramos bastante por aqui no blog.

Low carb: nas pausas do Jejum Intermitente 

Outra opção para as pausas do Jejum Intermitente (low carb e paleo) 

O reinício do Jejum intermitente: jantar

Do jantar para o almoço, foram 16 horas. Sem fome. Tranquilo mesmo. A partir do almoço, a próxima refeição será o jantar (aquele que falamos acima), 8 horas depois (um pequeno jejum que também contribui nos resultados).

Seja com 2, 3 ou 4 refeições na janela de alimentação do protocolo de jejum que você escolher, repare a importância da densidade nutricional. Alimentos naturais, sem processamento industrial. Abuse das verduras, ovos, carnes. Seja paleo.

Segunda fase: um Jejum de 24 horas

Uma boa forma de iniciar e se adaptar é fazendo o protocolo 16/8 por alguns dias, até começar a sentir que pode pular uma das duas refeições, naturalmente, sem sofrimento caprichando no final da janela de jejum, fazendo, assim, 24 horas de Jejum e, em seguida, voltando ao padrão normal de 2 refeições por dia (16/8 ou até mesmo 12/12).

Eu sugiro que faça um ou dois jejuns de 24 horas por semana, e o restante dos dias seguindo com almoço e jantar fartos, sempre low carb (LCHF) e com comida de verdade (paleo).

E o café da manhã?

Não vejo motivos para que você quebre o jejum no café da manhã. Como opinei acima, eu prefiro, se for o caso, beber um café e uma água com gás.

A perda acelerada de gordura corporal nos estados de jejum provoca uma corrida das pessoas e da mídia de forma às vezes irresponsável. Se você quer colocar tudo em prática rapidamente, sugiro que considere um programa já estruturado, passo a passo, baseado em low carb e jejum intermitente. Para que decida se vale a pena, eu fiz uma Avaliação completa do Código Emagrecer De Vez (CLIQUE AQUI para ler).

02 Erros Comuns ao Iniciar o Jejum Intermitente

Erro 01: Jejum Intermitente não é adaptação para low carb

Vejo diversas pessoas cometendo um erro grave e inverter a ideia. Jejum intermitente não deve ser uma técnica para que seu corpo se adapte à dieta low carb. É justamente o contrário disso! Você deve se adaptar à low carb ANTES. Com a certeza desta situação, inicie e colher os benefícios citados do Jejum Intermitente. Perceba que vão muito além da perda de peso.

Erro 02: Jejuns sem Densidade Nutricional (O mais importante)

Considero este erro o mais grave e o único ponto em que você poderia arriscar a sua saúde. A janela de alimentação do Jejum deve ser rica em nutrientes. Pães, massas, grãos não são, nem de longe, alimentos ideais para as janelas de alimentação (entre-jejuns). Carnes, ovos e verduras… (muitas verduras!) devem ter máxima prioridade. Atenção para frutas mais doces. Elas podem provocar picos de insulina e despertar fome indesejada no meio do seu jejum. Não se preocupe com os nutrientes das frutas, pois as saladas contemplam de sobra, com a vantagem da ausência do açúcar.

Jejum intermitente: Outras Estratégias Prontas

As possibilidades são muitas. Sugiro que antes de mais nada, busque segurança e convicção. Isso vale para qualquer prática capaz de promover mudança de vida. Low carb, Jejum Intermitente e densidade nutricional certamente são um trio poderoso neste sentido. É emagrecimento saudável. Tire suas próprias conclusões e tenha por base a verdadeira ciência. Caso não tenha tempo ou disposição para estes estudos, insisto: O Programa de Emagrecimento passo a passo Código Emagrecer de Vez é estruturado tendo como base estes três pilares: low carb, Jejum Intermitente e densidade nutricional. Vale a pena conhecer.

fonte

http://saudeprimal.com.br/index.php/jejum-intermitente-pratica-low-carb/